Arquivos do Blog

Mario Sergio Cortella – Programa do Jô

Mario Sergio Cortella (1954) é um filósofo, escritor e professor paranaense. É graduado em Filosofia pela Faculdade Nossa Senhora de Medianeira, mestre e doutor em Educação pela PUC-SP. É o criador da série de livros “O que a vida me ensinou”. Ex-monge, a espiritualidade está sempre presente em sua obra.

 

http://mariosergiocortella.blogspot.com.br/

 

TERRA – Genética, Religião, Humano e Animais

the-pleiades-our-creatorRetirado do livro: Terra – Chaves pleadianas para a Biblioteca Viva
Bárbara Marciniak
Um trecho do capítulo II

Vocês estão começando a compreender, no final deste milênio, que  a  engenharia  genética  não  é  uma  grande  coisa.  Vocês, habitantes da Terra, entrariam imediatamente em estado de choque se soubessem o que agora é possível através da fusão de genes – se as suas assim chamadas fontes noticiosas contassem histórias relativas ao que está acontecendo em alguns dos laboratórios deste planeta. Criaturas foram criadas e formas de vida foram soltas no plano terrestre em muitos locais.

Se  esse  poder  de  criar  vida  está  agora  disponível  para  seres humanos em evolução, com DNA de duas fitas apenas, imaginem o tipo de compreensão genética de seres que existem há centenas de milhares  de  anos.  É  assim  que  mundos  e  espécies são criados e nascem. Esses assim chamados deuses, como ondas de  energia, separam-se do Criador Primordial e se estabelecem nesta zona de livre-arbítrio. Tomam a energia do Criador Primordial como a teia da

existência, e fazem experiências a fim de aprenderem sobre poder e energia. Eles possuem livre-arbítrio para fazeremo que quer que desejem e, caso se percam e esqueçam e criem coisas das trevas, tudo faz parte do mesmo jogo. É a mesma energia. Tudo isso está ligado e precisa ser curado.

Uma vez que vocês transformem a Terra e partam para a Idade do Ouro, o restante do universo será alterado. Levará um ou dois mil  anos  para  que  vocês  conheçam  a  mudança  que  ocorrerá  em todo  o  universo.  Essa  mudança  poderia  ocorrer  simultaneamente, mas vocês não a verão simultaneamente. Vocês levarão um ou dois mil  anos  para  experimentar  a  mudança  a  partir  do  seu  ponto  de vista.  Contudo,  quando  vocês  mudarem  neste  plano  terrestre,  a mudança ocorrerá instantaneamente em todos os lugares.

Leia o resto deste post

A humanidade é apenas um rótulo – Osho

grupoNão tenho nenhuma vontade de apaziguar vocês com palavras falsas, ocas e sem valor exortando-os a amarem a humanidade. As assim chamadas religiões disseram estas coisas a vocês por gerações. Estou aqui para estimulá-los a amar o homem real, para amar seus companheiros – não a humanidade, mas o homem que vive e trabalha junto a você. Humanidade é apenas uma palavra; humanidade é apenas um rótulo. Você não pode encontrar a humanidade em lugar nenhum. A humanidade é fácil de amar porque a única coisa que você tem que fazer é declamar alguns chavões.

– OSHO

Se a vida de escravidão lhe é conveniente, confortável, você cria falsas religiões

27154_640838775930711_1383487873_n“A religião lhe dá as chaves para torná-lo livre, mas se a vida de escravidão lhe é conveniente, confortável, você cria falsas religiões que não lhe dão qualquer liberdade, que simplesmente acrescentam outros tipos de escravidão.

O cristianismo, o budismo, o hinduísmo ou o islamismo, do modo como são organizados, estabelecidos, são novos tipos de aprisionamento.

Jesus é liberdade, Maomé é liberdade, Krishna é liberdade, Buda é liberdade, mas o budismo, o maometanismo, o cristianismo, o hinduísmo não são — apenas imitam a liberdade.

Então, uma nova escravidão nasce: você não é escravo apenas dos seus desejos, dos seus pensamentos, dos seus sentimentos, dos seus instintos, é escravo dos sacerdotes também. Mais escravidão acontece a partir das suas falsas religiões, e nenhuma modificação ocorre em você.”

Osho, em “A Semente de Mostarda”

Texto na íntegra em: http://www.palavrasdeosho.com/2013/04/raiz-da-escravidao-novas-escravidoes.html

A religião nada é senão um caso de amor com a existência – Osho

385782_634016863291921_817565299_nA religião nada é senão um caso de amor com a existência. Religião não é um ritual. Nada tem a ver com igrejas, templos e mesquitas e nada a ver com os Vedas, o Koran e a Bíblia. Ela tem um significado totalmente diferente: você se torna casado com a existência. Você fica apaixonado pelas estrelas e pelas árvores, montanhas e nuvens, pois estes são os diferentes espaços de Deus. Você fica apaixonado pelas pessoas e animais – você está simplesmente apaixonado por tudo que é!
Se isso for possível, grandes bênçãos acontecem, grande chuva de alegria procedente do além; você é banhado de felicidade.

– Osho –

Mantra – Nando Reis

Agumas músicas são mais que melodias e palavras desconexas. Veja o caso da canção nomeada “Mantra”, composta por Nando Reis e Arnaldo Antunes, onde o tema é a reencanação.  (letra e áudio abaixo)
A própria letra é autoexplicativa

Link mp3

Quando não tiver mais nada
Nem chão, nem escada
Escudo ou espada
O seu coração
Acordará!…

Quando estiver com tudo
Lã, cetim, veludo
Espada e escudo
Sua consciência
Adormecerá!…

E acordará no mesmo lugar
Do ar até o arterial
No mesmo lar
No mesmo quintal
Da alma ao corpo material…

Hare Krishna Hare Krishna
Krishna Krishna
Hare Hare
Hare Rama
Hare Rama
Rama Rama
Hare Hare

Quando não se têm mais nada
Não se perde nada
Escudo ou espada
Pode ser o que se for
Livre do temor…

Hare Krishna Hare Krishna
Krishna Krishna
Hare Hare
Hare Rama
Hare Rama
Rama Rama
Hare Hare

Quando se acabou com tudo
Espada e escudo
Forma e conteúdo
Já então agora dá
Para dar amor…

Amor dará e receberá
Do ar, pulmão
Da lágrima, sal
Amor dará e receberá
Da luz, visão
Do tempo espiral…

Amor dará e receberá
Do braço, mão
Da boca, vogal
Amor dará e receberá
Da morte
O seu dia natal…

Aaadeeeus Dooooor…(4x)

Hare Krishna Hare Krishna
Krishna Krishna
Hare Hare
Hare Rama
Hare Rama
Rama Rama
Hare Hare (6x)

A verdade não pode ser imitada

Muito raramente a religião tem existido de maneira saudável — somente quando um Buda caminha na Terra, ou um Cristo, ou um Krishna, ou um Kabir. Do contrário, a religião tem existido como uma patologia, uma doença, uma neurose.

Aquele que realizou a religião através do seu próprio ser tem uma compreensão totalmente diferente dela. A compreensão daquele que imitou os outros não é, de maneira nenhuma, uma compreensão. A verdade não pode ser imitada. Você não pode tornar-se verdadeiro sendo uma cópia carbono.

A verdade é original e, para chegar até ela, você tem de ser original também. A verdade não é atingida seguindo alguém, a verdade é atingida através da compreensão da sua vida. A verdade não está em nenhuma crença, em nenhum argumento; a verdade está no mais profundo centro do seu ser, escondida como amor.

A verdade não é lógica; ela não é um silogismo, é uma explosão de amor. Sempre que a verdade explode em você, você atinge uma visão de vida, de Deus, de religião totalmente diferente. Os seus olhos adquirem uma qualidade diferente, uma transparência, uma clareza diferente.

Quando a sua mente está anuviada com pensamentos emprestados de outros, seja lá o que for que você chame de religião, não é religião, é apenas um sonho.

A diferença básica torna patológica uma pessoa imitadora. Um cristão é patológico, um hindu também. Krishna é saudável, soberbamente saudável; assim também é Cristo. Quando Cristo diz alguma coisa, ele a conhece. Ele não está repetindo o que alguém disse, ele não é um papagaio. Ele é a sua própria realização — e isto faz toda a diferença.

Quando você se torna um cristão, repete Cristo. Pouco a pouco, você torna-se mais parecido com uma sombra. Você perde o seu ser… perde a si mesmo. Você não é mais verdadeiro, real, autêntico. Um cristão já está morto, e a religião está preocupada com um renascimento.

Sim, ela é uma crucificação também: o velho tem de morrer para o novo nascer. Mas, seguindo uma crença, um dogma, uma igreja morta, você nunca permite que o velho morra — e você nunca permite que o novo nasça. Você nunca assume um risco. Você nunca se move no perigo.

Quando Cristo encara o seu próprio ser, ele está movendo-se perigosamente: ele está assumindo um grande risco, ele está indo em direção ao desconhecido.

Osho, em “O Caminho do Amor – Discursos Sobre as Canções de Kabir”
Imagem por Always Curious

Ser religioso

Há pessoas que podem encontrar sempre algo errado em cada situação; e tornam-se infelizes. E há pessoas que encontram algo de bom em cada situação; e tornam-se gratas. E é isso que eu chamo de ser religioso.,

(Osho)

A religião autêntica é sempre individual

A religião é a suprema realização do homem.

Além da religião, nada existe – mas também não há necessidade. Seu ser é tão pleno, transborda tanta benção, silêncio, paz, compreensão, êxtase, que pela primeira vez a vida se torna realmente uma canção, uma dança, uma celebração. Aqueles que não conhecem a religião, não conhecem a celebração.

Mas a religião organizada é algo totalmente diferente. Assim, devo deixar bem claro a você que a religião autêntica é sempre individual. No momento em que a verdade se organiza, ela morre; torna-se uma doutrina, uma teologia, uma filosofia, e não mais uma experiência, porque a multidão não pode experimentá-la.

A experiência acontece somente a indivíduos – separadamente.

É praticamente como o amor. Você não pode ter organizações de amor para que não precise mais se preocupar – a organização cuidará de tudo, o sacerdote amará em seu nome. Mas é isso que aconteceu à religião.

Cada vez que uma pessoa descobre a verdade, imediatamente uma das partes mais espertas da humanidade – os sacerdotes – a cerca. Começam a compilar suas palavras, a interpretar suas palavras e a deixar claro às pessoas que se elas quiserem conhecer a verdade terão de fazê-lo por intermédio deles – eles são os agentes de Deus.

Nomeiam-se profetas, mensageiros. Eles podem escolher qualquer nome, mas a realidade é que se autonomearam agentes de Deus. Eles não conhecem Deus, mas em nome de Deus exploram a humanidade.

A religião organizada é uma outra forma de política. E como sempre condenei a política como a atividade mais baixa dos seres humanos, minha atitude quanto às religiões organizadas é a mesma. Você pode perceber: os sacerdotes e os políticos sempre conspiraram contra a humanidade, sempre apoiaram uns aos outros.

Partilharam as coisas entre si, de modo que sua vida, neste mundo, pertence ao político – aí ele é o soberano; e sua vida interior pertence ao sacerdote – aí ele é o soberano.

Fica-se às vezes tão perplexo… parece inacreditável que mesmo no século vinte o papa pôde declarar, alguns meses atrás, que comunicar-se diretamente com Deus é pecado. Você deve comunicar-se através do canal correto, o sacerdote, porque se as pessoas começarem a ir diretamente a Deus, confessando-se a Deus, orando a Deus, os milhões de sacerdotes ficarão desempregados.

Eles não fazem nada; sua única função é a de enganá-lo. Por você não entender a linguagem de Deus e por não ser tão evoluído, com um simples pagamento – uma doação à sua igreja ou ao seu templo – eles farão o trabalho por você.

Todas essas doações acabam no bolso dos sacerdotes. Eles nada sabem de Deus, mas são muito instruídos – são capazes de repetir as Escrituras como papagaios. Mas seu anseio interior não é por Deus, não é pela verdade – eles não são buscadores, são exploradores.

Osho, em “Sacerdotes e Políticos: A Máfia da Alma”

Abraham Hicks – Why Jesus came LEGENDADO

%d blogueiros gostam disto: