Arquivos do Blog

RELACIONAMENTO – OSHO

osho“O relacionamento existe porque o amor não está presente. O amor não é um relacionamento. 

O amor se relaciona, mas não é um relacionamento. Relacionamento é algo acabado. Relacionamento é um substantivo; o ponto final chegou, a lua de mel acabou. 

Agora não há alegria, não há entusiasmo, agora tudo está acabado.

Você pode continuar o relacionamento apenas para manter suas promessas.

Pode levá-lo avante porque é confortável, conveniente, cômodo. Pode levá-lo avante porque não há nada mais a fazer. Pode levá-lo avante porque se o romper, isso vai lhe trazer muitos problemas.

Relacionamento significa algo completo, acabado, fechado. O amor nunca é um relacionamento: amor é relacionar-se – é sempre um rio fluindo, interminável.” 

***

“O estado mais elevado de amor não é, de modo algum, um relacionamento: é simplesmente um estado do seu ser. Assim como as árvores são verdes, aquele que ama é amoroso. Elas não são verdes apenas para determinadas pessoas: não é que quando você aparecer, elas se tornam verdes. A flor continua espalhando suafragrância quer alguém apareça ou não, quer alguém aprecie ou não. A flor não começa a liberar sua fragrância quando um grande poeta está se aproximando – ‘Bem, este homem apreciará, este homem será capaz de compreender quem eu sou’. E ela não fecha suas portas quando vê que uma pessoa estúpida, idiota, está passando por ali – uma pessoa insensível, obtusa, um político ou alguém parecido… Ela não se fecha – ‘Qual o sentido? Por que jogar pérola aos porcos?’ Não, a flor continua espalhando sua fragrância. Trata-se de um estado, não de um relacionamento.”

***

“O propósito da terapia é levá-lo ao ponto onde você possa ver a sua falta de naturalidade . (…) O propósito é simplesmente torná-lo consciente de onde você está, do que fez a si mesmo – o mal que tem sempre causado e ainda está causando, as feridas que está criando em seu próprio ser. Cada uma das feridas tem sua assinatura – esse é o objetivo da terapia, fazer com que você se dê conta de sua assinatura; que as feridas levam sua assinatura, que ninguém mais as tem causado; que todas as correntes que o envolvem são criadas por você; que a prisão na qual você vive é obra sua. Ninguém a está fazendo para você.” 

***

“O amor é alquímico. Se você se amar, a sua parte feia desaparecerá, será absorvida, será transformada. A energia é liberada daquela forma. Todas as coisas que são chamadas de pecado simplesmente desaparecem. Ame-se. Esse deveria ser o mandamento fundamental. Ame-se. Tudo o mais se seguirá, mas esse é o alicerce.” 

 

Fonte: http://frasesreunidas.blogspot.pt

A árvore dos desejos (Osho)

arvore_dosdesejosNo conceito Védico indiano, o Paraíso é composto por Árvores

dos Desejos. Basta alguém sentar debaixo de uma delas e desejar qualquer coisa, que imediatamente o desejo se realizará, sem  intervalo de tempo entre o desejo e a realização.

Conta uma velha lenda que, certa vez um homem estava viajando e acidentalmente, sentou-se embaixo de uma dessas Árvores dos Desejos. Sem nada saber sobre isso e dominado pelo cansaço, o homem pegou no sono, à sombra de sua frondosa copa.

Quando despertou estava com muita fome, e então disse:

– Estou com tanta fome! Ah, como eu desejaria conseguir alguma comida agora!

E imediatamente apareceu um prato de comida à sua frente, vinda do nada, simplesmente uma deliciosa comida, flutuando no ar. Ele estava tão faminto que não prestou atenção de onde viera a comida. Começou a comê-la assim que a viu. Somente depois que sua fome foi saciada é que voltou a olhar ao redor. Outro pensamento surgiu em sua mente:

– Se ao menos eu conseguisse algo para beber…

Imediatamente apareceram excelentes sucos e vinhos. Bebendo e relaxando na brisa fresca, sob a sombra da árvore, o homem começou a pensar:

– O que está acontecendo? O que está havendo? Estou sonhando ou existem espíritos ao meu redor que estão fazendo truques comigo?

E diversos espíritos apareceram. O homem começou a tremer e novamente um pensamento surgiu em sua mente:

– Serão esses espíritos perigosos?.. .

Logo os espíritos se tornaram nauseantes, ferozes e começaram a fazer gestos ameaçadores para ele.

– Ai, meu Deus! Agora certamente eles vão me matar!

E assim aconteceu…

Esta parábola tem apenas um significado: sua mente é a Árvore dos Desejos, e o que você pensa, mais cedo ou mais tarde, há de se realizar.

Às vezes o intervalo entre o pensamento e o acontecimento é tão grande que nos esquecemos completamente que, de alguma maneira, desejamos o ocorrido. Mas, se olharmos profundamente, perceberemos que todos os nossos pensamentos, desejos, medos e receios estão criando nossas vidas.

Eles criam nosso inferno ou nosso paraíso, criam nosso tormento ou nossa alegria.

Todos nós temos mentes “mágicas” capazes de manifestar externamente, nossos desejos e pensamentos. Estamos fiando a trama de nossas vidas, tecendo o mundo dentro e fora de nós, sem ao menos termos consciência disso. Sua vida está em suas mãos. Você pode escolher transformá-la num inferno ou num paraíso. A responsabilidade é toda sua.

Isso depende somente de você!

(Osho)

Existem dois jeitos de morrer – Osho

vazio-morteO que acontece na morte? De repente você está perdendo o seu corpo, está perdendo a sua mente. De repente você sente que está se afastando de si mesmo, de tudo o que você acreditava que era você.

É doloroso porque você sente que está submergindo no vazio. Você não estará mais em lugar nenhum, porque viveu identificado com o corpo e com a mente e nunca conheceu nada além disso; nunca se conheceu além do corpo e da mente.

Você ficou tão fixado na periferia e tão obcecado por ela que o centro ficou totalmente esquecido.

Na morte, você tem de se deparar com o fato de que o corpo está partindo; não é mais possível conservá-lo como antes. A mente está deixando você — agora você não tem mais controle sobre ela. O ego está se dissolvendo; você não pode mais nem dizer “Eu”.

Você treme de medo, na beira do nada. Você não existirá mais.

Mas, se você tiver se preparado, se tiver praticado meditação — e preparação significa que você fez tudo o que podia para aproveitar a morte, para aproveitar esse abismo feito de nada — em vez de ser jogado dentro dele, você se preparou para saltar para dentro —, isso faz uma grande diferença.

Se você está sendo empurrado para dentro, de má vontade — você não quer pular e está sendo obrigado —, então é doloroso, existe muita angústia e a angústia é tão intensa que você ficará inconsciente no momento da morte. Assim você não a aproveita.

Mas, se você estiver pronto para saltar, não há angústia. Se você aceitar a morre e lhe der as boas-vindas, sem nenhuma reclamação — em vez disso, você está feliz e celebrando esse momento que chega, e agora pode saltar para fora do seu corpo, que é uma limitação, pode saltar para fora deste corpo que é um confinamento, pode saltar para fora deste ego que sempre foi um sofrimento —, se você conseguir dar as boas-vindas para a morte, então não há nenhuma necessidade de ficar inconsciente.

Se você conseguir aceitá-la, dar-lhe as boas-vindas — o que os budistas chamam de tathata, aceitá-la e não somente isso… Porque a palavra, aceitar, não é muito boa, lá no fundo ela esconde uma não-aceitação — não, se você der as boas-vindas à morte, como se ela fosse uma celebração, um êxtase, como se fosse uma bênção, você não precisa ficar inconsciente.

Se ela é uma bênção, você ficará perfeitamente consciente nesse momento. Lembre-se destas duas coisas: se rejeitá-la, se disser não, você ficará totalmente inconsciente: se aceitá-la, acolhê-la, e disser “Sim” de todo o coração, você ficará perfeitamente consciente.

Dizer “Sim” para a morte deixa você perfeitamente consciente; dizer “Não” para ela deixa você completamente inconsciente — esses são os dois jeitos de morrer.

Osho, em “O Livro do Viver e do Morrer: Celebre a Vida e Também a Morte”
Imagem por Symic

Leia mais: http://www.palavrasdeosho.com/2013/07/mergulhando-no-vazio.html#ixzz2ZhRa2eCn

Sobre a Confiança – Perspectiva Budista de Prem Baba

Osho – Comece lentamente, passo a passo

O rebelde tem de aprender uma nova arte – Osho

presenteO rebelde é aquele que vive do seu próprio modo, que age conforme sua própria inteligência. Ele cria seu caminho andando por ele, não segue a multidão na estrada principal.

A vida dele é perigosa – mas uma vida sem perigo não é vida. Ele aceita o desafio do desconhecido. Ele não encontra o desconhecido que vem do futuro preparado pelo passado. Isso cria a angústia da humanidade; o passado lhe prepara, e o futuro nunca vai ser o passado. O seu ontem nunca será o seu amanhã.

Mas até agora é assim que o homem tem vivido: seus ontens o preparam para os seus amanhãs. A própria preparação se torna um obstáculo. Você não consegue respirar livremente, não consegue dançar livremente – o passado o podou de todas as maneiras. A carga do passado é tão pesada que todas as pessoas estão esmagadas sob ela.

O rebelde simplesmente diz adeus ao passado.

É um processo constante; assim, ser um rebelde significa estar continuamente em rebeldia – pois cada momento se tornará o passado; todos os dias se tornarão o passado.

Não é que o passado já esteja na cova – você está passando por ele a cada momento.

Assim, o rebelde tem de aprender uma nova arte: a arte de morrer para cada momento que passar, para que ele possa viver livremente no novo momento que chegou.

Osho, em “Rebeldia: Uma Qualidade Essencial”
Imagem por javYliz

Descasque a cebola – Osho

cebola-personalidadeO ser do homem é muito simples, mas a sua personalidade é muito complexa. A personalidade é como uma cebola— existem muitas camadas de condicionamento, corrupção, e ocultas por trás dessas muitas camadas está o simples ser do homem. Ele está por trás de tantos filtros que você não pode vê-lo — e oculto por trás desses muitos filtros você não pode ver o mundo também, porque tudo o que atinge você é corrompido pelos filtros antes de atingi-lo.

Nada nunca atinge você como é; você continua deixando de sentir. Há muitos intérpretes no caminho. Você vê alguma coisa — primeiro os seus olhos e os seus sentidos o falseiam. Então a sua ideologia, a sua religião, a sua sociedade, a sua igreja — eles falseiam tudo. Então as suas emoções — elas falseiam também. E assim por diante, o tempo todo… No momento em que a informação chega até você ela não é mais quase nada do original, ou tão pouca que não faz diferença. Você só percebe alguma coisa se os seus filtros permitirem, e os filtros não permitem muito.

Os cientistas concordam; os cientistas afirmam que vemos apenas dois por cento da realidade — apenas dois por cento! Noventa e oito por cento da realidade se perdem. Quando você está me ouvindo, ouve apenas dois por cento do que foi dito. Noventa e oito por cento se perdem, e quando os noventa e oito por cento se perdem, aqueles dois por cento ficam fora de contexto. É como se você pegasse duas páginas de um romance ao acaso, uma daqui, outra dali, e então começasse a reconstruir rodo o romance a partir dessas duas páginas. Noventa e oito páginas ficam de fora! Você não faz ideia do que elas continham; você nem mesmo sabe que elas existiam. Você tem apenas duas páginas e reconstrói toda a novela de novo. Essa reconstrução é uma invenção sua. Não é uma descoberta da verdade, é a sua imaginação.

E há uma necessidade interior de preencher as lacunas. Sempre que você vê que duas coisas não têm relação entre si, a mente sente uma pressão interior para relacioná-las; do contrário ela se sente muito intranquila. Então você inventa uma ligação. Você conserta as informações desconexas com elos, você as une com uma ligação e inventa um mundo que não existe.

George Gurdjieff costumava chamar esses filtros de “amortecedores“. Eles o protegem da realidade. Eles protegem as suas mentiras, eles protegem os seus sonhos, eles protegem as suas projeções. Eles não permitem que você entre em contato com a realidade porque o próprio contato seria esmagador, chocante. O homem vive por meio de mentiras.

Conta-se que Friedrich Nietzsche teria dito: “Por favor, não tirem as mentiras da humanidade, ou então o homem não será capaz de viver. O homem vive por meio de mentiras. Não acabem com as ficções, não destruam os mitos. Não digam a verdade porque o homem não pode viver com a verdade.” E ele está certo quanto a noventa e nove vírgula nove por cento das pessoas — mas que tipo de vida pode existir por meio de mentiras? Essa seria uma grande mentira em si mesma. E que tipo de felicidade é possível por meio de mentiras? Não há possibilidade; dai que a humanidade vive em sofrimento. Com a verdade há alegria; com as mentiras há apenas sofrimento e nada mais. Mas nós continuamos protegendo essas mentiras.

Essas mentiras são agradáveis, mas elas o mantêm protegido contra a felicidade, contra a verdade, contra a existência.

O homem é exatamente como uma cebola. E a arte consiste de como descascar e chegar ao seu centro mais profundo.

Osho, em “Intuição: O Saber Além da Lógica”
Imagem por Dave Pluimer

A coragem de não interferir. – Osho

medo-paralisarSe você é um pai, você vai precisar de muita coragem – para não interferir. Abra as portas da direções desconhecidas para a criança, assim ela pode explorá-las.

Ela não sabe o que há dentro dela, ninguém sabe.

Ela tem que tatear no escuro. Não deixe-a com medo da escuridão, não deixe-a com medo do fracasso, não deixe-a com medo do desconhecido. Dê-lhe apoio.

Quando ela estiver indo em uma viagem desconhecida, envie-a com todo o seu apoio, com todo o seu amor, com todas as suas bênçãos.

Não deixe que ela seja afetada por seus medos.

Você pode ter medos, mas mantenha-os para si mesmo. Não descarregue esses temores sobre a criança, porque isso será interferir.

Osho, em “From Darkness to Light”
Imagem por Ken Douglas

A humanidade é apenas um rótulo – Osho

grupoNão tenho nenhuma vontade de apaziguar vocês com palavras falsas, ocas e sem valor exortando-os a amarem a humanidade. As assim chamadas religiões disseram estas coisas a vocês por gerações. Estou aqui para estimulá-los a amar o homem real, para amar seus companheiros – não a humanidade, mas o homem que vive e trabalha junto a você. Humanidade é apenas uma palavra; humanidade é apenas um rótulo. Você não pode encontrar a humanidade em lugar nenhum. A humanidade é fácil de amar porque a única coisa que você tem que fazer é declamar alguns chavões.

– OSHO

Você é filho do universo

970027_543213289054595_857263813_n“Você é filho do universo. Você pertence a esta linda existência. Esta existência precisou de você, caso contrário você não estaria aqui. E ela precisou de você do jeito que você é, de outra forma ela não o teria criado do jeito que você é.
Você é tão necessário como as árvores, como as flores, como os pássaros, como o sol, como as estrelas. Você tem de estar aqui e você tem o direito de ser do jeito que você é. Afirme-se como você é. Nunca sinta-se culpado.”

Osho

%d blogueiros gostam disto: