Arquivos do Blog

Abraham Hicks – Como você se sentiria se…

Esse Todo-Que-É que está respondendo à sua vibração é o que você chama de Deus.

[Abraham]

Você ama a Deus? Ou você é temente a Deus ?

Redação do Momento Espírita com base no cap. 1, itens 23 e 25 do livroA gênese, de Allan Kardec, ed. Feb;  no cap. 21 do livro Filho de Deus, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal e no texto das páginas 22/23 da Revista O espírita, de out/dez 1995, nº 90. Disponível no cd Momento Espírita, v. 1 , ed. Fep. Em 03.10.2011.

Fonte:http://www.momento.com.br/

A ponte que faltava – Kryon

criancaKRYON  – LIVRO 4 AS PARÁBOLAS DE KRYON Canalizações recebidas por Lee Carroll

 4 – A ponte que faltava Introdução do escritor Quantos de nós não confiamos, realmente, na nossa intuição? Ou, o que vai dar ao mesmo, quantos de nós têm “dificuldades” com a fé? Note-se, por favor, que tenho a minha própria mão levantada. “Confiar no que não vemos” é um dos princípios mais difíceis de um sistema de crenças que nos pede que, no futuro, confiemos em Deus e em nós próprios. Este é o género de história que Kryon, frequentemente, nos oferece e que é instrutiva, como parábola. Leiam a história da “Ponte que falta”.

* * * * * * * * *

Queridos, a única coisa que vos separa da mente de Deus é a dualidade que criaram, por via da vossa encarnação na Terra. Quando vão mais além e confiam nessa parte do vosso espírito que reside acima de vós, estão a utilizar os novos dons de Deus para esta Nova Era. Henry estava na estrada, viajando a toda a velocidade.

O seu destino estava no outro lado do vale e, adequadamente, Henry, Ser Humano iluminado, tinha pedido a Deus que co-criasse esta viagem com ele. Intuitivamente, sabia que tinha sido algo correto e apropriado de criar para si e, por isso, o tinha criado. Estava a caminho, mas existia um problema verdadeiro: antigamente, uma ponte na estrada ia dar ao outro lado do vale, mas havia já algum tempo que essa ponte deixara de existir. Ainda assim, Henry continuou pela estrada, com pleno conhecimento de que não existia ponte.

Como vêm, Henry estava no processo de criar um milagre de Confiança, relativamente ao seu futuro, e tinha-se comprometido com o processo de Fé. Teria Henry perdido o juízo? O que pensaria um Ser Humano normal, num momento destes? A mente humana faz suposições: “A ponte não está lá, portanto, morrerei… Não é possível reconstruir a ponte com tanta rapidez – e ela não existia ontem à noite, quando lá passei!… Portanto, tão pouco estará lá esta noite”. A suposição é que o Ser Humano espera que a ponte seja como antes e esteja no mesmo lugar. “O meu carro não poderá passar se não houver ponte”, diz o Humano. Leia o resto deste post

A pessoa tem que se apostar toda – Osho

A verdade é um desafio, o maior que existe. É um desafio para inquirir, é um desafio para buscar e é um desafio para ser. Não é alguma coisa que você vai possuir algum dia – é uma coisa que você tem que se tornar.

E, de fato, você só pode se tornar aquilo que você já é, você só pode se tornar o seu ser.

O desafio da verdade é o desafio do seu próprio núcleo mais interno, o desafio de chegar em casa, o desafio de voltar ao centro, o desafio de reconhecer a si mesmo, o desafio de conhecer, de encontrar a si mesmo.

É árduo. Olhar-se de frente é árduo – porque investimos demais na nossa ignorância; apostamos demais na nossa autoignorância. Então, o autoconhecimento começa a se tomar muito, muito difícil. Assim, todos são chamados, mas apenas uns poucos ouvem o chamado.

E daqueles poucos que ouvem o chamado, muitos desses o interpretam mal, iludem-se a si próprios. Aqueles que ouvem da maneira certa, mesmo eles não persistem muito tempo. Assim, muitos são chamados mas muitos poucos chegam.

De fato, todo mundo é chamado. O desafio de Deus é para todos; é um convite aberto. Você está aqui para este desafio – para aceitá-lo, para passar através do fogo, para ser purificado pelo fogo.

Mas é um jogo de risco; a pessoa tem que se apostar toda. E esta é a ironia: de que quando você não tem nada, tem muito medo de apostar. A ironia… Quando você tem, tem a coragem de apostar também.

Esta é minha experiência de todo dia: sempre que vejo alguém que tem alguma coisa, ele está pronto para se entregar, e sempre que cruzo com uma pessoa que não tem nada, ela tem muito medo de se entregar.

Isso é muito misterioso. Quem não tem nada, tem muito medo de se entregar – talvez tenha medo de que, se ele se entregar, encontrará o seu estado de nada. Se entregar as suas defesas, conhecerá o seu vazio interior, a sua pobreza. É melhor fingir que se é rico e nunca olhar para dentro. É melhor continuar a sonhar: “Eu tenho muito, como posso me entregar?”

Mas esta é minha experiência, e nunca encontrei nenhuma exceção; esta parece ser a regra: aqueles que têm, estão prontos para se entregar, eles não têm medo. E Jesus dizia: “Àqueles que têm, lhes será dado mais, e àqueles que não têm, mesmo isso lhes será tirado.”

Quando você tem, tem a coragem de apostar. E quando você aposta, torna-se capaz de obter mais. E quando aposta tudo, incondicionalmente, totalmente, somente então se torna capaz de receber o presente de Deus. Então, Cristo nasce em você.

Quando você aposta tudo, Cristo nasce em você. Quando você passa pela crucificação, quando você é crucificado, há a ressurreição.

Osho, em “O Caminho do Amor: Discursos Sobre as Canções de Kabir”

Rótulos do Não-físico

O ser humano físico usa muitos rótulos dependendo de como as coisas se fazem sentir no momento para tentar descrever a interação deles com o Não-Físico. Somos Fonte de Energia. Somos Consciências Coletivas – significando um fluxo. Somos um consenso de muitas vozes Não-Físicas (como vocês poderiam chamar). Somos aquilo que muitos chamariam de anjos. Somos aquilo que alguns chamariam de Deus. Somos aquilo que alguns chamariam de Ser Interior. Mas, mais importante (e usaremos algumas de suas palavras favoritas novamente), somos Consciências focadas respondendo especificamente à vibração com a qual você lida em seus pedidos.
[Abraham]

 

Do Seminário em Porltand, OR/USA, em 12/Jul/2003 – # 447
Publicado em www.abraham-hicks.com em 21/Maio/2012
TRD:LL/SP/SP/BR

A religião autêntica é sempre individual

A religião é a suprema realização do homem.

Além da religião, nada existe – mas também não há necessidade. Seu ser é tão pleno, transborda tanta benção, silêncio, paz, compreensão, êxtase, que pela primeira vez a vida se torna realmente uma canção, uma dança, uma celebração. Aqueles que não conhecem a religião, não conhecem a celebração.

Mas a religião organizada é algo totalmente diferente. Assim, devo deixar bem claro a você que a religião autêntica é sempre individual. No momento em que a verdade se organiza, ela morre; torna-se uma doutrina, uma teologia, uma filosofia, e não mais uma experiência, porque a multidão não pode experimentá-la.

A experiência acontece somente a indivíduos – separadamente.

É praticamente como o amor. Você não pode ter organizações de amor para que não precise mais se preocupar – a organização cuidará de tudo, o sacerdote amará em seu nome. Mas é isso que aconteceu à religião.

Cada vez que uma pessoa descobre a verdade, imediatamente uma das partes mais espertas da humanidade – os sacerdotes – a cerca. Começam a compilar suas palavras, a interpretar suas palavras e a deixar claro às pessoas que se elas quiserem conhecer a verdade terão de fazê-lo por intermédio deles – eles são os agentes de Deus.

Nomeiam-se profetas, mensageiros. Eles podem escolher qualquer nome, mas a realidade é que se autonomearam agentes de Deus. Eles não conhecem Deus, mas em nome de Deus exploram a humanidade.

A religião organizada é uma outra forma de política. E como sempre condenei a política como a atividade mais baixa dos seres humanos, minha atitude quanto às religiões organizadas é a mesma. Você pode perceber: os sacerdotes e os políticos sempre conspiraram contra a humanidade, sempre apoiaram uns aos outros.

Partilharam as coisas entre si, de modo que sua vida, neste mundo, pertence ao político – aí ele é o soberano; e sua vida interior pertence ao sacerdote – aí ele é o soberano.

Fica-se às vezes tão perplexo… parece inacreditável que mesmo no século vinte o papa pôde declarar, alguns meses atrás, que comunicar-se diretamente com Deus é pecado. Você deve comunicar-se através do canal correto, o sacerdote, porque se as pessoas começarem a ir diretamente a Deus, confessando-se a Deus, orando a Deus, os milhões de sacerdotes ficarão desempregados.

Eles não fazem nada; sua única função é a de enganá-lo. Por você não entender a linguagem de Deus e por não ser tão evoluído, com um simples pagamento – uma doação à sua igreja ou ao seu templo – eles farão o trabalho por você.

Todas essas doações acabam no bolso dos sacerdotes. Eles nada sabem de Deus, mas são muito instruídos – são capazes de repetir as Escrituras como papagaios. Mas seu anseio interior não é por Deus, não é pela verdade – eles não são buscadores, são exploradores.

Osho, em “Sacerdotes e Políticos: A Máfia da Alma”

Entrevista com físico nuclear indiano AMIT GOSWAMI

O Roda Viva entrevista o físico nuclear indiano AMIT GOSWAMI. Considerado um importante cientista da atualidade ele tem instigado os meios acadêmicos com sua busca de uma ponte entre a ciência e a espiritualidade. Amit Goswami vive nos Estados Unidos. É PHD em física quântica e professor titular de física da Universidade de Oregon. Há mais de quinze anos está envolvido em estudos que buscam construir o ponto de união entre a física quântica e a espiritualidade. Já foi rotulado de místico, pela comunidade científica, e acabou acalmando os críticos através de várias publicações técnicas a respeito de suas idéias. Em seu livro O UNIVERSO AUTOCONSCIENTE – publicado no Brasil – ele procura demonstrar que o Universo é matematicamente inconsistente sem a existência de um conjunto superior – no caso, DEUS. E diz que, se esses estudos se desenvolverem, logo no início do terceiro milênio Deus será objeto de ciência e não mais de religião.

A bancada de entrevistadores será formada por Mário Sérgio Cortella, filósofo e dir.em educação, prof. do Depto. Teologia e ciências religião da Puc SP; Cláudio Renato Weber Abramo, jornalista e mestre em filosofia da ciência; Pierre Weil, educador e reitor da Universidade Holísitica Internacional de Brasília; Rose Marie Muraro, escritora e editora; Leonor Lia Beatriz Diskin Pawlowicz, jornalista e Pres.da Assoc. Palas Athena; Joel Sales Giglio, psiquiatra, ex chefe do Depto.de Psic. Médica e psquiatria da Unicamp, analista junguiano da Assoc. Junguiana do Brasil e membro da International Assossiation for Analitical Psychology; Carlos Ziller Camenietzki, físico, dr. em filosofia e pesquisador do Museu de Astronomia do Min. da Ciência e Tecnologia.

Programa exibido no dia 11/02/08

Transcript: http://www.saindodamatrix.com.br/archives/goswami.htm

PlayList: http://www.youtube.com/playlist?list=PLD6BD4AF85F0C4A1C

O Cubo de Metatron

Leia o resto deste post

%d blogueiros gostam disto: