Arquivo mensal: junho 2013

Paratecnologia e Paraecologia – Wagner Alegretti

Paratecnologia e Paraecologia  – Wagner Alegretti, engenheiro e conscienciólogo.

Entrevistador: Ton Martins doPrograma “Ciência e Consciência”, da TV Complexis.

Tema: Paratecnologia e Paraecologia

Paraecologia: É a ciência que estuda as relações entre as consciências em qualquer nível evolutivo e a relação destas consciências com seus meios, contudo agora multidimensionais.

 

Anúncios

Paratecnologia e a Consciência – Wagner Alegretti

Paratecnologia e a Consciência – Wagner Alegretti, engenheiro e conscienciólogo.

Entrevistador: Ton Martins doPrograma “Ciência e Consciência”, da TV Complexis.

Tema: Paratecnologia e Paraecologia

Mar de energia imanente em múltiplas formas.

O uso da tecnologia, a ética do seu uso.

Estamos conectados a Matrix?

Qual o seu diagnóstico ?

diagnostico

Se você recebe um diagnóstico que não seja aquele que você deseja ouvir, a tendência é dizer “Oh, meu Deus! Como eu me distanciei de algo que eu tanto queria?”. E nós dizemos: não é tão ruim assim – é apenas uma série de pequenas coisas. É o “eu poderia escolher esse pensamento que me faz sentir bem ou aquele não me faz sentir tão bem. Mas desenvolvi um padrão para o que não me faz sentir bem. Então, é a dose diária de não estar no modo da recepção que não me mantém no modo da recepção.”. E é tudo o que isso é!

[Abraham]

Do Seminário em San Rafael, CA/USA, em 24/Mar/2001

Profilaxia das Manipulações Conscienciais

[youtube http://youtu.be/I9wsdRVlo7c]

Entrevista dada por Mabel Teles, professora universitária e consciencióloga, a Ton Martins, no Programa “Ciência e Consciência” da TV Complexis. Tema: Profilaxia das Manipulações.

A professora Mabel Teles esclarece um dos pontos mais importantes e atuais da atualidade. Como reconhecer as manipulações que nos rodeia. Como mantermos com a energia equilibrada. Como chegar ao nosso poder de consciência.

O rebelde tem de aprender uma nova arte – Osho

presenteO rebelde é aquele que vive do seu próprio modo, que age conforme sua própria inteligência. Ele cria seu caminho andando por ele, não segue a multidão na estrada principal.

A vida dele é perigosa – mas uma vida sem perigo não é vida. Ele aceita o desafio do desconhecido. Ele não encontra o desconhecido que vem do futuro preparado pelo passado. Isso cria a angústia da humanidade; o passado lhe prepara, e o futuro nunca vai ser o passado. O seu ontem nunca será o seu amanhã.

Mas até agora é assim que o homem tem vivido: seus ontens o preparam para os seus amanhãs. A própria preparação se torna um obstáculo. Você não consegue respirar livremente, não consegue dançar livremente – o passado o podou de todas as maneiras. A carga do passado é tão pesada que todas as pessoas estão esmagadas sob ela.

O rebelde simplesmente diz adeus ao passado.

É um processo constante; assim, ser um rebelde significa estar continuamente em rebeldia – pois cada momento se tornará o passado; todos os dias se tornarão o passado.

Não é que o passado já esteja na cova – você está passando por ele a cada momento.

Assim, o rebelde tem de aprender uma nova arte: a arte de morrer para cada momento que passar, para que ele possa viver livremente no novo momento que chegou.

Osho, em “Rebeldia: Uma Qualidade Essencial”
Imagem por javYliz

David o amado – PARÁBOLAS DE KRYON

happy-feetKRYON  – LIVRO 4
AS PARÁBOLAS DE KRYON
Canalizações recebidas por Lee Carroll

David o amado

Desejo falar agora de quando se chega à Terra sem carma e só com uma missão. Desejo falar agora de David, o Amado. David nasceu sem uma parte do cérebro. Era um menino inteligente, possuía todas as faculdades da consciência, mas a parte que faltava era a que controlava o seu crescimento. Os médicos, naturalmente, pensaram que David não viveria muito tempo, pois não havia forma de poder fazê-lo sem a zona do cérebro que faltava.

O único propósito de David era o cumprimento de uma missão… o que só ficaria evidente, com o passar do tempo. David tinha uns pais jovens que o amavam ternamente, e ele mesmo se rodeou de outros que o amavam ternamente.

Foi assim como David levou uma vida extraordinária durante os poucos anos que permaneceu no planeta. Houve quem o levasse a lugares que um menino jamais teria visitado. Viu-se inundado de amor, e foram-lhe oferecidas todas as oportunidades de aprender. E, sem problema nenhum, morreu quando tinha doze anos, pois a missão de David neste planeta fora a de oferecer um dom aos seus pais.

Claro que se lhes tivesse dito que isso era um dom, os pais ter-se-iam sentidos insultados. A verdade é que jamais tinham passado uma época pior, devido ao sofrimento causado pela morte de filho. E, para sarar a ferida dos seus corações, de nada servia conhecer a missão do filho.

O mesmo sucede convosco, queridos, quando sabem que alguém faleceu; nesse momento de nada serve saberem que isso é lícito. Quando chega esse momento, a dor surge e nenhuma sabedoria espiritual consegue diminuir a angústia da emoção. A dor do coração é a maior ferida que qualquer Humano pode enfrentar.

Assim, David, aquela preciosa criança, viveu rodeado de tristeza. Os seus pais choraram-no, como é normal nestas circunstâncias. Mas devem compreender que David tinha um acordo estabelecido com os pais, e que eles tinham um acordo estabelecido com o filho. O falecimento de David ofereceu-lhes uma oportunidade, inclusive nos piores momentos, pois aqueles jovens pais descobriram um caminho de iluminação acelerada. Assim, na busca da sua paz, deram um passo que jamais teriam dado, não fora a dádiva de David. Desta forma, esse pai e essa mãe viveram vidas muito iluminadas, converteram-se em curadores e cada um deles atendeu e ajudou a muitos outros ao longo de anos.

Assim, a dor transformou-se em alegria e cura. E foi assim que se completou a sua iluminação, e como se realizou seu carma, graças ao dom de David, o Amado. Que desperdício teria sido se os pais de David, em vez de terem recebido aquele dom, se tivessem entregado à sua dor, permitindo que as suas vidas se consumissem.

Toda a missão de David consistiu em permitir a iluminação e a cura de centenas de Humanos no futuro, um futuro em que David nunca participaria. O seu amor esteve no dom que ofereceu aos seus jovens pais, ao passo que o amor destes esteve na capacidade para verem o dom e saberem o que significava. Assim pois, o sacrifício aparente de um deles criou a alegria de muitos. A beleza espiritual disto é que David é eterno, e os doze anos que passou a oferecendo o seu dom foram apenas um momento fugaz na linha do tempo de um acontecimento muito mais grandioso… a elevação do planeta Terra.

 

Comentário final do escritor

O único desejo que eu tinha em criança era fazer parte do exército. Jan (que está ao meu lado) confirmará que, ainda hoje, quando vejo homens e mulheres fardados, tenho a sensação de que deveria estar com eles. Quando tinha oito anos, inscreveram-me numa escola militar, e passei lá três anos, sozinho, como interno. Sabia como seriam as coisas no Exército, e contudo não ingressei nele.

Mais tarde, numa ocasião em que me encontrava na ponte de um barco, em San Diego, reconheci a cadeira em que deveria estar sentado, e admiti que estava destinado à Marinha.

Mantendo a sensação de que servia o meu propósito, passei pela educação paramilitar do exército na escola superior, e fiz planos para me graduar como militar nos anos universitários posteriores, só para seguir uma carreira na Marinha. Mas isso não era mais do que um resíduo de uma vida passada. E as coisas que o Espírito fez para me manter afastado da Marinha foram extraordinárias.

Primeiro, comecei a ter alergias. Durante a universidade fui chamado para ir para o Vietnam e, submeteram-me a um exame físico e recusaram-me como inapto. Disseram-me: «Você não pode pertencer ao exército porque tem alergias». Agora sei por que é que o Espírito fez com que tivesse alergias. Inclusivamente, mais tarde descobri que sofria de enjoo marítimo. (Conseguem imaginar um oficial da Marinha, enjoado, apoiado num corrimão, a meio de uma batalha?… Bom, isto é humor cósmico!)

No ano passado, com 50 anos de idade, descobri que tinha nascido só com um rim. Nunca teria passado num exame físico completo para o ingresso na Marinha. Jamais teria sido possível, de qualquer forma! Gostaria de ter estado ao serviço deste país e isso era a única coisa que desejava fazer.

Experimentei vários períodos de vida como militar. Foi natural, portanto, que, à chegada a esta vida, tratasse de fazer o mesmo que já havia feito. Ter nascido no meu grupo cármico, na cidade naval de San Diego, foi um verdadeiro desafio para alguém que tinha um resíduo cármico da Marinha… mas tinha uma missão espiritual para cumprir!

Assim sendo, o Espírito foi pondo obstáculos no meu caminho para me mostrar a diferença entre o “resíduo de uma vida passada” e um “contrato”. Esperei até perto dos cinquenta anos para saber, finalmente, qual era a minha missão, sem deixar de me perguntar continuamente se não deveria ter sido um oficial da marinha.

O ser humano com o qual estabeleci um acordo está aqui neste momento, ao meu lado (a esposa de Lee, Jan Tober). Foi ela que me guardou este lugar e foi ela que me permitiu chegar onde estou… tal como fez o pai de Filipe, o Pescador.

Agora, talvez compreendam melhor do que nunca, o que vos disse em relação à participação de Jan no trabalho de Kryon, pois foi algo de muito profundo.

É um contrato cármico; é uma missão, é uma alegria que o Espírito me tenha honrado proporcionando-me os obstáculos que me impediram de seguir um caminho falso.

E fazendo jus à mensagem desta noite, o Espírito honra-nos a todos da mesma forma.

Apenas você pode vibrar em sua experiência

experiencia

Como os outros não podem vibrar em sua experiência, eles não têm como afetar o resultado de sua experiência. Eles podem manter as próprias opiniões, mas, a menos que a opinião deles afete sua opinião, a opinião deles não importa. Um milhão de pessoas pode estar se debatendo contra você e isso não afetaria negativamente você, a menos que você se debata de volta. Eles estão afetando o que acontece na própria experiência. Eles estão afetando o próprio ponto de atração – mas isso não afeta você, a menos que você se debata contra eles.

[Abraham]

Do Seminário em Orlando, FL/USA, em 21/Fev/1998
TRD:LL/SP/SP/BR, http://www.espacocriando.com

João o abundante – PARÁBOLAS DE KRYON

dinheiroKRYON  – LIVRO 4
AS PARÁBOLAS DE KRYON
Canalizações recebidas por Lee Carroll

João o abundante

Falaremos agora de João, o Abundante.

Vocês conhecem esse João. Nasceu dotado com a capacidade de criar riqueza. Tudo aquilo em que tocava o tornava mais rico, e o seu carma era esse. Muitos olhavam-no e diziam: “Teve que ser uma pessoa notável na vida passada para agora ter este carma positivo”. Mas diziam isso porque não compreendiam a sua lição. Inclusivamente quando era rapaz, João dedicava-se a gerir o dinheiro dos outros rapazes, para fazer isto, para prestar um serviço aqui ou atuar acolá. Quando terminou os estudos, no momento em que outros apenas começam a pensar no assunto, já João iniciava o caminho da abundância. A partir dali reuniu e armazenou uma fortuna.

Possuía tanta riqueza que, como individuo, não tinha capacidade para gastá-la durante a sua vida. Assim, João ocupou toda a sua vida a criar mais… e sentia-se desgraçado; depois, sentiu-se colérico.

João não possuía uma ideia clara da sua missão. Como era demasiado fácil criar abundância, João converteu-se numa pessoa irritável, que passava o tempo a queixar-se. Havia quem nem sequer quisesse a sua companhia, de tal forma era desagradável! Assim, os únicos que restavam eram aqueles a quem pagava bem para estarem com ele…, o que representava os seus próprios carmas.

Finalmente, João morreu como um homem desgraçado. Pouco depois de se encontrar do outro lado, deu-se conta de qual tinha sido a sua lição. Tinha escolhido uma das mais difíceis de todas, uma lição que foi incapaz de aprender.

Queridos meus, há livros que falam sobre isto, mas, esta noite, desejamos dizer-lhes o que o isto que significa e o que não significa. Foram traduzidas as palavras que dizem: ”Será quase impossível que um homem rico veja as portas do céu” Permitam-me que vos diga o que isto significa: É extremamente difícil para qualquer um que possua grande abundância alcançar a iluminação. A afirmação citada sustenta-se a si mesma, sem que nada possa ser dito em contrário. Essa foi a lição de João. Podia ele descer ao planeta, experimentar esse tipo de atributo e atingir a iluminação? As oportunidades de que dispôs para encontrar a iluminação passaram diante dele rapidamente, e ele nem sequer reparou. A obtenção de abundância mantinha-o totalmente ocupado.

Porém, alguns de vós leram este texto e, a partir dele, extrapolam um conjunto completo de regras, deficientemente relacionadas com o tema da abundância. Assim, dizem: ”O que Deus queria dizer realmente é que não se pode ser rico e alcançar ao mesmo tempo a iluminação”. Depois, esta lógica deficiente acrescenta: “Se tens riqueza, não és iluminado.” A fase final deste processo de pensamento diz: “Para encontrar Deus, tens que desprender-te de toda a riqueza” (… que, normalmente, deve ser entregue a alguma organização disposta a recebê-la,

com o propósito de ajudar a pessoa a desembaraçar-se dessa carga espiritual). Só então se pode alcançar a iluminação”. Estes mesmos indivíduos (piorando as coisas) equiparam “ser pobre” com “ser iluminado”.

Acreditem, meus queridos, que não é bem assim. Pedimos que vejam o sentido comum de tudo isto. Sempre temos dito que desejamos que tenham abundância. Noutras histórias, já vos levámos a fazer viagens nas quais tiveram acesso às salas internas das vossas vidas espirituais, e uma delas está sempre cheia, até ao teto, de coisas maravilhosas, de ouro e riquezas. (vejam o capitulo “Wo e a sala de aprendizagem” deste mesmo livro). Por que haveríamos de vos mostrar estas coisas, de convidá-los a co-criar a vossa própria realidade, para depois fornecermos um postulado dizendo não se pode ser iluminado e ter abundância ao mesmo tempo? A razão é a seguinte: pode-se ser totalmente iluminado e ter uma abundância sem limites.

Mas a parte difícil deste atributo é a seguinte: aquele que tenha nascido neste planeta com a capacidade para criar abundância facilmente possui um carma pesado. Irá essa pessoa olhar para o seu lado espiritual e alcançar a iluminação? Por outras palavras, a distração derivada da criação do poder é quase insuperável. Essa é a amplitude da situação.

Todos vocês são convidados a alcançar a abundância, todos e cada um de vós. O que foi escrito é apenas uma afirmação da dificuldade e uma advertência para terem cuidado: para alcançar a iluminação e a riqueza terrena ao mesmo tempo exige-se um grande equilíbrio e uma verdadeira sublimação do ego. Estes atributos não se encontram juntos com frequência. Quando se encontram, sabe-se que se encontrou uma alma muito antiga.

Bendito seja aquele que conhece a Deus e tem abundância!

Descasque a cebola – Osho

cebola-personalidadeO ser do homem é muito simples, mas a sua personalidade é muito complexa. A personalidade é como uma cebola— existem muitas camadas de condicionamento, corrupção, e ocultas por trás dessas muitas camadas está o simples ser do homem. Ele está por trás de tantos filtros que você não pode vê-lo — e oculto por trás desses muitos filtros você não pode ver o mundo também, porque tudo o que atinge você é corrompido pelos filtros antes de atingi-lo.

Nada nunca atinge você como é; você continua deixando de sentir. Há muitos intérpretes no caminho. Você vê alguma coisa — primeiro os seus olhos e os seus sentidos o falseiam. Então a sua ideologia, a sua religião, a sua sociedade, a sua igreja — eles falseiam tudo. Então as suas emoções — elas falseiam também. E assim por diante, o tempo todo… No momento em que a informação chega até você ela não é mais quase nada do original, ou tão pouca que não faz diferença. Você só percebe alguma coisa se os seus filtros permitirem, e os filtros não permitem muito.

Os cientistas concordam; os cientistas afirmam que vemos apenas dois por cento da realidade — apenas dois por cento! Noventa e oito por cento da realidade se perdem. Quando você está me ouvindo, ouve apenas dois por cento do que foi dito. Noventa e oito por cento se perdem, e quando os noventa e oito por cento se perdem, aqueles dois por cento ficam fora de contexto. É como se você pegasse duas páginas de um romance ao acaso, uma daqui, outra dali, e então começasse a reconstruir rodo o romance a partir dessas duas páginas. Noventa e oito páginas ficam de fora! Você não faz ideia do que elas continham; você nem mesmo sabe que elas existiam. Você tem apenas duas páginas e reconstrói toda a novela de novo. Essa reconstrução é uma invenção sua. Não é uma descoberta da verdade, é a sua imaginação.

E há uma necessidade interior de preencher as lacunas. Sempre que você vê que duas coisas não têm relação entre si, a mente sente uma pressão interior para relacioná-las; do contrário ela se sente muito intranquila. Então você inventa uma ligação. Você conserta as informações desconexas com elos, você as une com uma ligação e inventa um mundo que não existe.

George Gurdjieff costumava chamar esses filtros de “amortecedores“. Eles o protegem da realidade. Eles protegem as suas mentiras, eles protegem os seus sonhos, eles protegem as suas projeções. Eles não permitem que você entre em contato com a realidade porque o próprio contato seria esmagador, chocante. O homem vive por meio de mentiras.

Conta-se que Friedrich Nietzsche teria dito: “Por favor, não tirem as mentiras da humanidade, ou então o homem não será capaz de viver. O homem vive por meio de mentiras. Não acabem com as ficções, não destruam os mitos. Não digam a verdade porque o homem não pode viver com a verdade.” E ele está certo quanto a noventa e nove vírgula nove por cento das pessoas — mas que tipo de vida pode existir por meio de mentiras? Essa seria uma grande mentira em si mesma. E que tipo de felicidade é possível por meio de mentiras? Não há possibilidade; dai que a humanidade vive em sofrimento. Com a verdade há alegria; com as mentiras há apenas sofrimento e nada mais. Mas nós continuamos protegendo essas mentiras.

Essas mentiras são agradáveis, mas elas o mantêm protegido contra a felicidade, contra a verdade, contra a existência.

O homem é exatamente como uma cebola. E a arte consiste de como descascar e chegar ao seu centro mais profundo.

Osho, em “Intuição: O Saber Além da Lógica”
Imagem por Dave Pluimer

A coragem de não interferir. – Osho

medo-paralisarSe você é um pai, você vai precisar de muita coragem – para não interferir. Abra as portas da direções desconhecidas para a criança, assim ela pode explorá-las.

Ela não sabe o que há dentro dela, ninguém sabe.

Ela tem que tatear no escuro. Não deixe-a com medo da escuridão, não deixe-a com medo do fracasso, não deixe-a com medo do desconhecido. Dê-lhe apoio.

Quando ela estiver indo em uma viagem desconhecida, envie-a com todo o seu apoio, com todo o seu amor, com todas as suas bênçãos.

Não deixe que ela seja afetada por seus medos.

Você pode ter medos, mas mantenha-os para si mesmo. Não descarregue esses temores sobre a criança, porque isso será interferir.

Osho, em “From Darkness to Light”
Imagem por Ken Douglas
%d blogueiros gostam disto: