KRYON – As Bem-aventuranças

astral2Livro 3 de Kryon – A Alquimia do Espirito Humano

Canalização em direto de Bellevue, Seattle, EUA – Agosto de 1994

Esta canalização em direto foi editada com palavras e pensamentos adicionais, para permitir uma maior clarificação e compreensão da palavra escrita.

Saudações, meus queridos. Eu sou Kryon do Serviço Magnético.

Todos são amados com muita ternura! É certo que esta é a voz que se escutou na Sarça-Ardente. É o Espírito que, esta noite, vem diante de vós; é o Espírito quem se senta aos vossos pés, enquanto ouvem a voz do meu sócio, pois são, com efeito, os Guerreiros da Luz. E pedimos, com todo o amor, que se preparem e abram os corações à mensagem que Kryon vai transmitir esta noite.

Aliás, por se tratar de uma ocasião especial, por ser este o lugar doce onde coloquei o meu sócio para cumprir o seu contrato, solicitamos a verificação desta canalização por parte das pessoas sensitivas presentes.

Desafiamos essas pessoas a sentirem o Espírito e a reconhecerem o que está a acontecer, a verem as alterações das auras, a sentirem o poder do amor que circula nesta sala, a saberem que tudo isto é real e está a ocorrer verdadeiramente. Cada um dos presentes é uma entidade muito especial, e o Espírito vê-vos tal como são, enquanto estão sentados diante do meu sócio. O Espírito conhece-vos muito bem. O Espírito vê um tempo em que haverá uma grande celebração, quando já não estiverem aqui. Um tempo no qual todos conhecerão as faixas coloridas que cada um traz, pois elas dirão: “Vocês são os que estiveram na Terra em período de aprendizagem. São os que, por decisão própria, estiveram no planeta que se elevou a si mesmo.

Respeitamo-nos. “Pelas vossas faixas podemos ver quem são”.

Este é o manto que trazem convosco, inclusive enquanto estão aqui, agora. E isso é uma tremenda honra.

A mensagem desta noite talvez vos surpreenda. É uma mensagem interior. Há quem tenha dito: “Kryon, você não falou dos outros mestres que caminharam sobre este planeta. Deu muito pouco crédito àquele que entrou na caverna e saiu de lá com o Corão, e, no entanto, ele é seguido por milhões. Não falou dos que estiveram na Índia. Não falou de Babas, ou dos Avatares. E sobre Buda?… Há tantos mestres e, contudo, não nos ofereceu informação sobre eles”. A resposta a isso é a seguinte: outras canalizações, de outras culturas, realizarão o trabalho de explicar esses mestres, pois todos manifestaram uma mensagem de amor, todos eles se encontram enlaçados com o Espírito. Hoje, porém, desejamos examinar as mensagens do mestre da Nova Era, aquele a quem chamam Jesus, e ao qual nos referiremos como o judeu Jesus.

Houve um tempo em que, perto do lugar a que ele chamou Galileia, Jesus reuniu uma multidão diante dele para fazer novas e abençoadas declarações, que são as declarações abençoadas da Nova Era. Como elas serão reinterpretadas esta noite, poderão verificar como este mestre da vossa cultura foi, de facto, o primeiro mestre do amor da Nova Era. O conteúdo destas reinterpretações será a essência do que foi dito no momento em que tais canalizações foram transmitidas. Assim, sócio meu, proceda lentamente, pois não se  reinterpreta a Escritura sem medo (o público ri).

Estas declarações de bondade são para vós, meus queridos. Escutem atentamente, pois aparecem por ordem de importância. São nove e oferece-se, em primeiro lugar, a que tem uma maior energia. Antes, porém, há um séquito que me acompanha, que está nesta sala enquanto ouvem (ou lêem) estas palavras, que está sentado perto de si e eleva a vibração da sala. Esta comitiva – as entidades Kryon – juntamente com outras que foram convidadas, estão aqui para responder às vossas necessidades. Têm um grande amor por vós e vieram para vos servir. Gritamos “Honra!”, e dizemos para se habituarem a isto, a este amor que se derrama do Espírito, pois assim são as coisas. É assim que funciona o Espírito, pois cada um é amado exatamente como o do lado, nem em maior nem em menor medida, e as entidades que trago comigo a este lugar, esta noite, estão aqui para servir, a vós e aos vossos guias, a quem também chamam anjos. Eles sentem-se muito excitados; sabem que não há acasos e que estão aqui por acordo prévio. Não vos serviriam se não o soubessem antecipadamente.

1) Aqui está a primeira declaração de bem-aventurança:

Bem-aventurados os pobres de Espírito!

 Bem-aventurados sejam, pois eles são a vossa Família.

Talvez perguntem: “Quem são os pobres de Espírito?” Esta frase tem sido mal interpretada e tem-se acreditado que se refere aos humildes. Meus queridos, nesta assembleia, esta noite, muitos são os que já tiveram vidas espirituais passadas e outras encarnações. Observamos, com grande humor cósmico, quantos dos presentes usaram sandálias em vidas passadas… e trajes de serapilheira… e todas as encarnações que passaram de joelhos, com as costas inclinadas, assim como os narizes, diante do Espírito. Não poderiam ter vindo parar a um lugar de iluminação, neste tempo da historia do planeta, sem terem passado previamente por esses outros tempos. Muitos dos presentes estão familiarizados com isso, analisaram essas vidas passadas e sabem do que estou a falar. Mas, meus caros, estou aqui para dizer que não estamos a falar desse “humilde”. Este “humilde” não é o pobre de Espírito.

Através dessas vidas passadas, a humildade não produziu mais do que dores de costas, joelhos e narizes inflamados!

 Não. Falamos daquele que foi exemplificado na parábola sobre o Filho Pródigo.

Brevemente, essa parábola trata de uma família que tinha dois filhos. Um ficou no lar e respeitou a sua família e o seu pai. Assumiu a responsabilidade pelo que sabia que tinha que fazer, e fê-lo bem. O outro filho não lhe seguiu o exemplo. Não considerou a sua responsabilidade familiar e, assim que recebeu a sua parte da herança, partiu. Gastou-a estupidamente, fazendo o que lhe apeteceu. Fez tudo o que desejava fazer.

Segundo conta a historia, e como é sabido, um dia este filho reconheceu a sua responsabilidade e regressou à família.

Ora bem, talvez pensem que esta parábola centra-se no filho que regressou. Mas, de facto, não é assim.

Na realidade, centra-se no filho que ficou, aquele que fez o trabalho e assumiu a responsabilidade. E foi este o filho que se sentiu mortificado pela celebração feita pelo filho que regressou, pois não compreendia a lógica segundo a qual, e apesar dele ter ficado e realizado o trabalho, só se celebrava quem não o fizera.

Meus queridos, esta história mostra claramente que o filho que regressa não era iluminado… mas passou a ser! Esta história mostra como têm de ver aqueles que, não sendo iluminados, estão agora entre vós. Na realidade, eles é que são os pobres de Espírito!

Todos eles têm o potencial para serem maravilhosos Espíritos iluminados. Contudo, o momento atual não é, simplesmente, o adequado. De modo que, ao observá-los, sintam e vejam, em cada um deles, um “filho pródigo”, alguém que é “pobre de Espírito”.

A hierarquia de importância das nove bem-aventuranças faz com que este seja o primeiro exemplo. Poderão perguntar: “Por que é assim?” É assim porque o Espírito ama os não iluminados tanto como ama os iluminados.

Eles, simplesmente, ainda não estão na Família, mas irão estar. Desta forma, a declaração da bem-aventurança e a advertência é a seguinte: vocês devem alegrar-se quando se produz a celebração e esses não iluminados regressam à Família! Não vejam esta situação como algo de pouca importância.

Bem-aventurados sejam os pobres de Espírito!

Em consequência, os “pobres de Espírito” representam todos aqueles que vos rodeiam e que não se veem a si mesmos na Nova Era. No entanto, a compaixão do Espírito dirige-se primeiro a eles. Compreendam a sabedoria que isto encerra, e terão compreendido Deus.

2) A seguinte bem-aventurança é muito importante:

Bem-aventurados os aflitos, pois eles receberão paz.

 Meus queridos, nada afeta mais a alma do Ser Humano do que a aflição pelo falecimento de um Ser Humano.

E o Espírito é muito consciente disso, pois compreende que se trata de algo singular para vós, enquanto Humanos. O Espírito não se aflige como vocês se afligem, mas compreende que não existe maior dor do que a do coração. Entre os presentes, há quem se tenha sentido aflito pela recente perda de um ente querido; há, ainda, quem sinta o coração apertado pelos que faleceram e a quem consideravam como Família.

Mas, meus queridos, desejo que alguns desses que faleceram encham esta sala; e aos Humanos presentes digo: ainda que se aflijam por aqueles que faleceram, eles ainda aqui estão para vos assegurarem:

“Somos eternos! Continuamos, continuamos e continuamos, e também vocês continuarão… e amamos todos com muita ternura. Vemos a vossa aflição e desejamos que se sintam em paz com o que aconteceu. Respeitamo-vos, tal como o Espírito vos respeita por estarem aqui, e desejamos que saibam tudo acerca da vossa própria eternidade, pois a morte não existe. Através do Espírito celebrem a vida, que é vossa, e saibam que continuamos aqui”.

Os que se encontram na periferia desta sala são aqueles que faleceram recentemente e que, agora, voltam a estar aqui, de visita. Oh! Há quem não acredite… mas também há quem saiba que é verdade. Estão aqui, e o meu sócio, cheio de emoção pelo que está a acontecer, diz: “Bem-aventurados os aflitos, mas devem dar-se conta de que se afligem por alguém que está vivo e que se encontra aqui, esta noite, nesta sala”.

Esta declaração de bem-aventurança encontra-se entre as primeiras, pois implica o muito que o Espírito vos ama pelo que tiveram de passar como Seres Humanos. São realmente respeitados por levarem este manto, por terem vindo para um planeta no qual nem sequer podem ver quem são, e por se afligirem com aqueles que faleceram.

Vocês são eternos… eternos!

 3) A seguinte bem-aventurança é:

Bem-aventurados sejam os mansos, pois eles herdarão o planeta.

 “Quem são esses mansos?”, poderão perguntar. Não são os débeis, como alguns disseram. Estes mansos são os Guerreiros da Luz!

Estes mansos são aqueles que se mostram calmos, em vez de se encolerizarem perante situações que poderiam provocar cólera.

Estes mansos são aqueles que são calmos na hora de se defenderem a si mesmos, ao encontrarem-se numa posição que parece exigir uma defesa.

Estes mansos são aqueles que toleram o intolerável.

Estes mansos são aqueles que se sentam esta noite diante do Espírito – os Guerreiros da Luz.

Estes mansos são vocês mesmos, pois são os que viram o amor e a paz da iluminação.

Quanto a “herdarem o planeta”, devem saber que são aqueles em quem se deve pôr o olhar. São aqueles que vão dirigir-se aos outros através desta Nova Era, pois sabem o que está a acontecer… algo que eles não sabem. São os novos líderes… Bem-aventurados sejam vocês, os mansos.

4) A seguinte bem-aventurança é:

Bem-aventurados sejam os que procuram a verdade, pois a encontrarão.

 Meus caros, falámos já algumas vezes de intencionalidade. Aqueles que procuram a verdade estão aqui esta noite, pois declararam intenção para aprender sobre o Espírito e sobre si mesmos. Este fragmento de Deus que cada um leva consigo, vá até onde for, está preparado para ficar exposto, na vossa frente, individualmente.

São respeitados pela procura da verdade que empreendem – inclusive enquanto estão aqui, neste momento, diante do Espírito – pois a intencionalidade é tudo. Não a declarem a menos que tenham verdadeira intenção de a declarar. E, quando a declararem, digam-no em voz bem alta, de modo que a vossa natureza humana possa regozijar-se com a proclamação.

Bem-aventurados sejam aqueles que procuram a verdade.

5) A seguinte bem-aventurança é:

Bem-aventurados sejam os misericordiosos, pois receberão misericórdia.

 Estes “misericordiosos” são os amáveis, os que têm empatia. Representam o grupo de Humanos que se desprenderam do seu carma. Pois, como podem ver, alguém amável e com empatia não pode ser alguém com um Espírito crítico ou uma natureza crítica. Alguém possuidor de uma natureza crítica, indica um desdobramento de carma que não foi ainda resolvido. Ora:

É o carma não resolvido que cria cólera e raiva. Alguém que traz consigo cólera e raiva

não pode ser uma pessoa misericordiosa.

Assim, o Espírito aprecia o misericordioso e, portanto, respeita os que passaram através das suas lições carminas e fizeram rebentar as borbulhas pessoais do medo. Vocês consideram essas borbulhas como detestáveis, algo que faz medo. A verdade, porém, é que elas rebentam facilmente e desaparecem com rapidez, pois não passam de fantasmas. Uma vez eliminadas, a pessoa misericordiosa fica a descoberto, passando a ser genuinamente empática e amável.

6) A seguinte bem-aventurança é:

Bem-aventurados sejam os puros de coração.

 Oh, meus queridos, isto foi tão mal interpretado! Quem é puro de coração?

Gostaria de me dirigir às mães presentes… que geralmente são as mulheres (risos)… Isto é humor cósmico de Kryon. Lembram-se da primeira vez que tiveram um filho?… Quando levavam essa preciosa vida ao colo, olhavam para as outras crianças e, frequentemente, diziam: “O meu filho não será assim, pois vou educá-lo como deve ser. Apenas lhe mostrarei as verdades mais delicadas, somente o amor do lar. Vou protegê-lo e ensiná-lo bem. E vai ser um menino glorioso, que me quererá muito”. Mas, para grande horror de algumas, a criança apareceu dotada de uma série de atributos quase inacreditáveis: cólera, medo, ciúmes, egoísmo e, sim, até astúcia. Mas isso não foram vocês que lhes ensinaram, não é verdade?… Acaso isso não é a prova daquilo que todas as crianças, nascidas neste planeta, trazem consigo?… Acaso não é a prova de que elas carregam os atributos do carma?… Nenhuma mãe teve que lhes transmitir essas coisas. De facto, acontece bem ao contrário, pois as mães que se aperceberam do que estava a acontecer, compreenderam que o seu trabalho consistiria em ajudar os filhos a “desaprenderem” essas características.

Sim, o puro de coração é aquele que assumiu a responsabilidade do seu contrato,  e compreendeu que as vítimas não existem.

 Cada um tem um conjunto de circunstâncias na sua vida, que planificou por si mesmo e pelas quais tem que passar. E, por mais estranho que possa parecer, seja qual for a situação em que se encontre, foi você que a planificou. Planificou-a com a ajuda dos que o rodeiam, inclusive com a daqueles que diz não conhecer… embora, na realidade, os conheça muitíssimo bem! Vocês conhecem-se perfeitamente uns aos outros, e nem sequer sabem que assim é. Tal é a força da dualidade! Planificaram e são responsáveis pelas situações em que se encontram agora. Quando tiverem pleno conhecimento destes factos, passarão a ser aqueles a quem o Espírito chama “puros de coração”, pois o vosso coração compreende perfeitamente a planificação que interveio na criação das situações em que se encontram.

Talvez possam dizer: “Como pode ser isso, se muitas dessas situações são negativas?”, e o Espírito responde: “Solicitaram, propositadamente, essas situações para poderem afrontá-las. Desse modo se expõem, desse modo pode ser cumprido o carma”.

Aqueles que optaram por aceitar o dom do Implante Neutralizador, convertem-se automaticamente em puros de coração, pois a sua nuvem de carma foi eliminada, e a claridade apareceu.

Bem-aventurados sejam os puros de coração.

7) A seguinte bem-aventurança é:

Bem-aventurados sejam os pacíficos, pois terão paz.

 Meus queridos, aqui está o inimigo da consciência humana. Enquanto não se der a integração de uma certa parte do vosso cérebro com o vosso conjunto, um inimigo permanecerá dentro de vós. Estamos a fazer referência ao intelecto. Sem o casamento entre o intelecto e o espiritual, um assassino vive dentro do vosso corpo.

Enquanto Seres Humanos, quantos conhecem o sentimento de serem despertados de madrugada com o intelecto ativo a dizer: “Qual é o tema que me preocupa, e que me acordou?… Vejamos as condicionantes. E se acontecer ‘assim’?… E se não acontecer?…”

É tipicamente Humano que uma parte do cérebro participe da dualidade que vos pode levar a fazer uma viagem até à pior das situações possíveis… repetidamente! Imersos nessa atividade, sentem-se desequilibrados e veem-se afetados pela doença física, uma vez que a preocupação criará o desequilíbrio químico.

Por conseguinte, o intelecto não vos terá feito nenhum bem. Esta noite, porém, desejamos que compreendam plenamente a mecânica deste atributo, pois vocês são os pacificadores. Não são necessariamente os que criarão equilíbrio político entre nações, pois, neste momento, falamos de paz interior. Falamos de uma paz na qual a paz não tem razão de ser, uma paz que existe de mãos dadas com os problemas e com as situações que, normalmente, causariam desequilibro e medo. Em lugar disso, aspiram à paz e conseguem-na.

É isto o que faz o pacificador – aquele que casou o intelecto com o espiritual, pois, como podem ver, trata- se de um poder catalítico. O “inimigo” intelecto torna-se muito poderoso quando se funde com o espiritual.

Dessa aliança, não só vai derivar a maior das vossas ciências, mas, também, uma paz maior. Então, o intelecto despertá-lo-á às três da manhã dizendo: “Sabes quanto és amado?… Sabes quem és?… Sabes que, neste momento, os teus guias estão contigo?” Isto supõe toda uma mudança, não vos parece?… Este é o pacificador, e a apreço que receberá será grande.

Oh, será que, quem ainda não dispõe deste atributo, não deseja – ardentemente – possuí-lo?… Cada um pode tê-lo, inclusive quando, por acordo prévio, veio sentar-se aqui, esta noite (ou, através de um acordo prévio, para ler estas palavras).

É o Espírito que vos fala agora, não um Ser Humano. Sabemos quem vocês são, sabemos o que levam convosco.

E porque sabemos quão grande é o vosso desejo de paz, dizemos: “Porque respeitamos esse desejo, pusemos este atributo à vossa disposição”. Podem tê-lo agora mesmo, e ir para casa sentindo-se pessoas diferentes.

8) A oitava e a nona bem-aventuranças só são semelhantes quanto à intensidade.

Bem-aventurados sejam os que caminham na verdade entre aqueles que não o fazem.

 O Espírito compreende o que significa estar no meio de quem vos olha e se ri, de quem revira os olhos nas órbitas e murmura, sem se aperceber de quem vocês é, ou sem acreditar em si quando lhes fala destes temas – que são como verdadeiras preciosas pérolas no vosso sistema de crenças. Você absorveu, verdadeiramente, como funcionam as coisas e, contudo, está rodeado de muitos que não reconhecem isso. E, para alguns, esses são, por vezes, os próprios familiares, enquanto que, para outros, são pessoas conhecidas ou colegas de trabalho.

Uma vez mais o respeitamos por esta viagem e o animamos a considerar cada um deles como o já referido Filho Pródigo, como um gigante Trabalhador da Luz. O que acontece é que, simplesmente, eles ainda não o sabem. Cada um deles pode ser como se descreveu previamente: estar cheio de misericórdia, ser bem-aventurado por sentir-se aflito, ser puro de coração… mas ainda não chegou o momento de honrar ao seu contrato. Você caminha entre eles como uma luz, e chegará o momento em que, talvez, eles lhe perguntem que luz é essa. Prepare-se para compartilhar o que sabe, de uma forma serena e com reverência, como uma verdade pessoal. O Espírito respeita-o pelo que você tem que suportar… e pede-lhe que tenha paciência!

9) A nona declaração de respeito e bem-aventurança é para aqueles que se encontram nesta sala (ou estão a ler estas palavras), aqueles que alcançaram o “estatuto de graduado”, que se prepararam para a ascensão e vivem a verdade. O Espírito honra-vos em nono lugar e, ainda que seja a última das bem-aventuranças, é realmente importante:

Bem-aventurados sejam os que vivem e caminham na verdade, pois mudarão o planeta.

 E não só isso, meus caros. Estejam atentos e preparados para aqueles Humanos que sabem que vocês se encontram nesta condição. Chegará um momento em que esses “filhos pródigos” aparecerão diante da vossa porta com uma expressão de terror estampada nos olhos e com o medo cravado nos corações, em busca de ajuda. Esses, serão, precisamente, aqueles mesmos que agora vos ridicularizam. Quando as coisas ficarem obscuras para eles e as mudanças surgirem, sentirão medo nos seus corações, irão sentir-se assombrados pelo terror e não conseguirão dominá-lo. Não saberão o que está a acontecer e a sua biologia falhará. Os seus

cérebros ficarão enlouquecidos. Nessa altura virão até vós e pedirão que lhes deem informação. Para eles, vocês serão como um xamã – sim, os mansos que herdarão o planeta.

Esta é a mensagem da Nova Era. Estas são as nove declarações de honra e bem-aventurança, tal como foram oferecidas naquele dia, faz já muito tempo, pelo primeiro mestre do amor, o judeu Jesus. Estas são as reinterpretações nesta Nova Era, que podem levar convosco esta noite, com a compreensão e o conhecimento do significado que, agora, na Nova Energia, nelas reconheceram.

Pedimos que examinem Kryon e saibam que eu sou apenas o mecânico. Há muito mais por saber e por transmitir, através dos outros grupos de canalização e dos outros que trazem informação e caminham entre vós, em dimensões diferentes.

Agora, o meu sócio deseja algo muito especial: deseja que a música regresse. Isto é algo que não foi feito antes, e que eu lhe pedi. (Começa a música de harpa, em direto.) Sejam conscientes de quantos tons vibratórios se produzem com a harpa e o quanto eles são importantes para a forma como vocês se alimentam espiritualmente.

Meus queridos, esta noite, ao fechar esta canalização, temos um convite a fazer: alguns dos presentes (e dos que estão a ler) chegaram aqui por chamamento prévio. Quando dizemos “chamamento prévio”, referimo-nos a que não existem acasos ou coincidências que justifiquem o facto de se encontrarem sentados diante do Espírito, que vos oferece o seu amor nestas mensagens. Se partirem daqui com informação, tal estará correto; mas se abandonarem este lugar sentindo-se curados… será ainda melhor.

Alguns não acreditam no que lhes está a ser apresentado, inclusive enquanto o meu sócio faz o seu trabalho.

Mas eu, como Kryon e Espírito, digo que são amados com muita ternura, e que esta noite começaram a ser semeadas, em vós, as sementes da verdade. Chegará um tempo em que recordarão estas palavras e lhes responderão.

Permitam que o vosso coração vos guie em direção à verdade e ao que ressoa como verdade na vossa mente. Outros há que já estão preparados para o que vai acontecer a seguir, pois o séquito que me acompanha – o grupo de Kryon – esta noite oferece-vos… intervenção. Esta noite, neste planeta de livre-arbítrio, têm a possibilidade de escolher, de introduzir uma mudança. Isto relaciona-se com a cura. Estamos aqui com amor e pureza. Vemos com clareza o vosso Eu Superior. Examinamos as vossas cores e sabemos quem são. Há quem necessite de ser curado do medo. Oh, sim… e também há quem necessite de uma cura biológica. Assim,

neste momento, pedimos que saibam quem são, e examinem se este é o momento apropriado para que essa cura ocorra. Pois, meus queridos, se é o momento apropriado, a cura é vossa..

Muitos abandonarão esta sala sentindo-se pessoas diferentes, Seres Humanos que foram tocados pelo Espírito e que mudaram…, pessoas que conhecem o seu Eu Superior e sentem a intervenção desde a outra parte de si mesmo, que é invisível.

Vêem?… O Espírito são vocês! Estão a pedir para serem tocados por essa parte de vós mesmos que é Deus, estão a pedir que ela desça sobre vós e efetue as mudanças necessárias.

Não há aqui nada que seja impossível.

Não há anomalia biológica que não possa ser resolvida.

Não há pensamento que não se possa dirigir noutra direção.

Não há situação que não possa transformar-se numa situação vencedora.

Não há medo, aqui, esta noite, que não possa ser substituído pela paz.

E, assim, pedimos que, enquanto permanecem sentados, serenamente, manifestem a intenção para que isso aconteça. Sintam as entidades presentes nesta sala, agora, falando com os vossos guias. Muitos dos Humanos

presentes têm essa facilidade, e essa é a razão pela qual vieram aqui. Por isso, estão presentes, neste momento, a ouvir essas vozes. Muito pode ser alcançado, dentro dos próximos três dias.

Falo convosco!… Vocês sabem quem eu sou!… Os sensitivos sabem o que está a acontecer neste momento.

Esta sala é diferente do que era há momentos.

Querido Ser Humano, não há nada de maligno que o possa afectar. Neste momento, você é amor puro, tal como entrou e tal como regressará. É assim que vos vemos, meus queridos, ao honrar-vos dentro do Espírito.

Desejamos que se apercebam do que vos aconteceu e que partam deste lugar sentindo-se curados.

Quando falamos da “Nova Jerusalém”, dizemos-vos que já estão nela! Representa na Nova Terra, a Nova Era e a Nova Energia, a qual à disposição dos aflitos, dos mansos, dos que procuram a verdade, dos que são misericordiosos e puros de coração, dos que suportam ser ridicularizados… e que representam a energia do amor para todo o planeta.

Ou seja, vós mesmos!

E assim é!

Kryon

Publicado em 04/24/2013, em Canalização, Conscienciologia, Espiritualidade, KRYON, Teosofia e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: