Arquivo mensal: maio 2012

VIVER COMO VERDADE

Se você encontrou a sua verdade dentro você, não há mais nada para descobrir em toda esta existência. A verdade está atuando através de você. Quando você abre os olhos, é a verdade abrindo os olhos. Quando fecha os seus olhos, é a verdade que está fechando os olhos.
Esta é uma meditação extraordinária. Se você puder simplesmente entender o mecanismo, não precisará fazer nada – o que quer que estiver fazendo, estará sendo feito pela verdade. Se você estiver andando, será a verdade andando; se estiver dormindo, será a verdade dormindo; se estiver falando, será a verdade falando; se estiver em silêncio, será a verdade que estará em silêncio.
Esta é uma das técnicas de meditação mais simples. Pouco a pouco, tudo se acomoda segundo esta fórmula simples e, então, não há mais necessidade da técnica.
Quando você está curado, joga fora a meditação, joga fora o remédio. Então, você vive como verdade — cheio de vida, radiante, satisfeito, abençoado, uma canção em si mesmo.
Toda a sua vida se transforma em uma prece sem palavras ou, melhor dizendo, em um estado de oração, em um estado de graça, de beleza que não pertence a este mundo, em um raio de luz vindo do além, iluminando a escuridão do nosso mundo.

Fonte: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.123807587725427.19279.118281964944656&type=3

O S H O

Você pode estar comendo plástico!

O Lixo que jogamos na natureza está sendo devolvido a nós por meio da cadeia alimentar.

Louvor ao sol nascente

Levante-se às cinco horas, antes do sol nascer, e por meia hora simplesmente cante, sussurre, murmure sons.

Esses sons não precisam ter significado; eles precisam ser existenciais, mas não com significados.

Você deveria gostar deles, e isso é tudo — esse é o significado.

Balance o corpo e deixe que isso seja um louvor ao sol nascente.
Leia o resto deste post

Gostos e desgostos

Image O dia em que você decidir não pedir as coisas de que você gosta e, em vez disso, gostar das coisas que acontecem, nesse dia você se tornará maduro.

Podemos sempre continuar a desejar aquilo de que gostamos. Mas isso o deixará sempre infeliz, porque o mundo não segue de acordo com seus gostos e desgostos. Não há garantia de que o que desejamos é o que a vida deseja também; não há garantia.

E a grande possibilidade é de que a vida esteja destinada a algo a respeito de que você nada sabe.

Quando algumas vezes acontece aquilo de que você gosta, você ainda não se sentirá muito feliz, porque tudo o que demandamos já o vivemos em fantasia. Assim, já é de segunda mão.

Leia o resto deste post

A verdadeira questão

A verdadeira questão não é se Deus é amoroso, justo, leal e compassivo. A verdadeira questão é: você sabe o que é amor? Sabe o que é justiça? Sabe o que é compaixão? Você já viveu e experimentou todos estes tesouros da existência?

Beber, fumar e comer carne

Boas maneiras são produto de pequenos sacrifícios. Allan Kardec, talvez tendo em mente as críticas do Mestre aos fariseus, ensinou que “o espiritismo é uma questão de fundo e não de forma”.

É lógico que não bastam as boas maneiras se o coração não as acompanha, mas é melhor que nada. Hipocrisia? Talvez. Não estou de maneira alguma defendendo a hipocrisia, mas a reforma íntima passa também pelo reaprendizado do modo de se portar. Li uma matéria, num blog, de autoria de J. Herculano Pires (O Homem Novo): http://www.partidaechegada.com/2009/02/moral-espirita-e-uma-conduta-espontanea.html, que afirma que “há uma tendência bastante forte, no meio espírita, para um tipo de moral religiosa que se caracteriza pelo artificialismo”.

Leia o resto deste post

O universo é eterno e você também

Cada pessoa no planeta e cada Consciência individual no Universo estão tendo a mesma experiência ao estar aqui e tendo o desejo de estar aqui. Em outras palavras, esta é a promessa desse Universo eterno. Você está sempre, sempre, sempre em seu caminho por algo mais – sempre. E quando você relaxar e aceitar isso, e parar de se debater por não estar no lugar em que não está e, ao contrário, começar a acolher o aonde você está enquanto mantém seu olho no aonde está indo – daí a vida se torna realmente, realmente, realmente divertida.

[Abraham]

Do Seminário em Asheville, NC/USA, em 25/Out/2003 – # 446
Publicado em www.abraham-hicks.com em 20/Maio/2012
TRD:LL/SP/SP/BR

Rótulos do Não-físico

O ser humano físico usa muitos rótulos dependendo de como as coisas se fazem sentir no momento para tentar descrever a interação deles com o Não-Físico. Somos Fonte de Energia. Somos Consciências Coletivas – significando um fluxo. Somos um consenso de muitas vozes Não-Físicas (como vocês poderiam chamar). Somos aquilo que muitos chamariam de anjos. Somos aquilo que alguns chamariam de Deus. Somos aquilo que alguns chamariam de Ser Interior. Mas, mais importante (e usaremos algumas de suas palavras favoritas novamente), somos Consciências focadas respondendo especificamente à vibração com a qual você lida em seus pedidos.
[Abraham]

 

Do Seminário em Porltand, OR/USA, em 12/Jul/2003 – # 447
Publicado em www.abraham-hicks.com em 21/Maio/2012
TRD:LL/SP/SP/BR

Ponto de Encontro

Poucos se interessam pela etimologia – o significado e a origem das palavras –, talvez porque nunca tenham pensado mais aprofundadamente sobre o assunto, talvez porque creiam que todas as palavras e todos os idiomas tenham surgido de uma forma meio mágica, como no mito da Torre de Babel.

Eu penso na cor laranja: ela compartilha seu nome com a laranja, a fruta. Eis um belo exemplo de como o nome de uma coisa concreta – a fruta – deu origem ao nome de um conceito abstrato – a cor, nada mais do que um dos espectros da luz quando refletida pela superfície de uma laranja madura. Mas a cor laranja é assim chamada na língua latina, originária da antiga Europa; certamente em outros lugares do mundo, em outros idiomas, não teremos essa curiosa associação entre a fruta e a cor, simplesmente porque as laranjas não cresciam em todas as partes do mundo…

 

Ainda numa analogia próxima, podemos nos lembrar dos esquimós, ou de todos os povos que se desenvolveram nas zonas gélidas, mas principalmente os da América do Norte. Se perguntarmos quantas cores um esquimó vê no horizonte gelado de suas casas, eles nos darão uma lista de praticamente meia-dúzia delas – no entanto, nós vemos apenas branco. É preciso um longo convívio com os esquimós para compreender a importância das variadas gradações de “cinza-creme” para “cinza-branco” e finalmente o “branco-branco”: é através delas que eles conseguem se orientar em um “deserto de gelo”, inclusive identificando onde temos o gelo mais fino, onde é arriscado trafegar com muito peso (bem, hoje em dia eles estão modernos, caçam com motos de neve e aposentaram os trenós puxados por cachorros – some o peso da pesca e da caça e não é difícil compreender a necessidade de se evitar o gelo fino).

Nas civilizações e crenças humanas, ocorre algo um tanto parecido. Cada povo desenvolveu um sistema próprio de escrita e linguagem, um sistema próprio de arte e cultura e, sobretudo, um sistema próprio de lidar com o sagrado. Todos nós lidamos com os mistérios do nascimento e da morte, com as atribulações da vida em sociedade, com a doença e os vícios, a guerra e a paz, o amor e a indiferença – mas acima de tudo lidamos com a natureza, com esse Cosmos infinito a nossa volta, com esse “Deus-Branco” ao qual cada povo deu um nome, e talvez ao qual, assim como os esquimós, cada povo defina através de inúmeras gradações de branco, muito embora o chamem simplesmente de Deus, de “O Grande Branco”.

Essa talvez seja a origem de tantos conflitos entre os povos: é que um não consegue compreender o outro, pois cada povo traz consigo séculos de cultura e linguagem, séculos de interpretações de conceitos e símbolos, e às vezes é muito complicado fazer com que outros povos o entendam. Não adianta simplesmente dizer: “Olha só, eu creio em Krishna e você crê em Allah, e nosso vizinho crê em Jeová, mas eles são todos nomes para uma mesma coisa, um mesmo conceito.” – Pois falar é fácil, difícil é se fazer entender. Porque o deus de um afirma que somente aqueles que rezam ajoelhados em uma direção são dignos, enquanto outro afirma que somente aqueles que crêem em seu filho serão salvos, e ainda outro afirma que antes da salvação ainda serão necessárias inúmeras vidas de purificação espiritual… E daí que todos criaram nomes para o mesmo conceito? A questão é que nenhum parece ter compreendido o conceito em si, a abrangência do sagrado.

Dessa forma, assim como as gradações de branco das cores dos esquimós no fundo são simplesmente branco (embora seja necessário para eles identificar todas as gradações), no fundo um Criador universal, uma substância primeira que originou todas as demais, só pode ser simplesmente “O Grande Branco”. Mas ninguém parece se preocupar em compreender o porquê de cada povo dar um nome diferente ao Branco – e a todas as suas gradações.

Ao invés de colocarmos um “deus-barreira” entre nós, seria muito mais interessante nos focarmos na compreensão uns dos outros, e do porque cada povo chegou a sua conclusão sobre o sagrado, o Grande Mistério, a substância primeira. Dessa forma não nos isolamos uns dos outros, nem entre espiritualistas nem entre agnósticos e ateus – pois em todo caso todos vivem na mesma realidade, todos caminham pelo deserto do mundo e eventualmente encontram laranjas e horizontes de gelo. Todos têm de lidar com o sagrado, mesmo que sua forma de lidar seja o ignorando.

Levantemos a barreira, criemos um ponto de encontro nas vielas estreitas de nossas metrópoles existenciais. Que seja uma praça, um bar, um lugar onde se toma café, um jardim, um pórtico, uma trilha em torno da cidade… Qualquer lugar onde possamos falar do mundo, do sagrado, de Deus e de nós mesmos, sem que um “deus-barreira” ou um dogma se interponha entre nós. Os pensamentos cristalizados, solidificados, represados, não são nem pássaros a voar nem rios a fluir, mas a mais pura angústia, o mais puro sofrimento de ter de se viver ancorado a crenças impostas, a “mandamentos” que não fazem mais sentido – pois não somos mais fugitivos em um deserto escaldante.

Hoje temos o mundo todo no controle remoto, e principalmente, boa parte do conhecimento do mundo ao alcance de uma máquina acessível à imensa maioria dos que tem o luxo de poder se dedicar a amar tal conhecimento. Mas toda informação e toda tecnologia do mundo de nada nos adiantará se continuarmos a viver isoladamente, sem nos encontrar alguma noite da semana em nosso ponto de encontro, sem procurar compreender como o outro pensa, como o outro sente, como o outro lida com o sagrado.

É preciso aprender a pensar por si próprio, a romper à represa e deixar a água correr livre para o oceano, a abrir à gaiola e deixar o pássaro decidir que rumo tomar no horizonte; Então poderemos acordar num céu de liberdade, onde todos foram convidados, e onde os primeiros a chegar não se preocuparam em adorar o “deus-ausente”, mas se comprometeram a serem eles mesmos as mãos e os olhos de Deus.

No ponto de encontro, os anjos comparecem todos os dias com os convites para esse novo mundo – um mundo onde o laranja e as demais cores, e todas as gradações de branco, se unem em uma só luz, em um branco infinito… Basta-nos achar o jardim onde os anjos pousam, e prosseguir nessa viagem sem fim pela imensidão do Cosmos.

***

Crédito da imagem: jlmccoy

 

extraído de: http://www.deldebbio.com.br/2012/05/21/ponto-de-encontro/

Dicas Sensacionais de Alimentação

No site www.ruimuller.com.br encontras perto de 400 doenças ou sintomas, com suas causas, a origem desses males. Não adiante fazer cirurgias, tomar remédios, chazinhos etc. se não retirar as causas, razão que se tirar um tumor do seio, logo aparece no outro seio; ao fazer uma cirurgia para levantar a bexiga e continuar tomando exagero de líquidos logo ela cairá de novo.

Eliminando as causas, podem usar os métodos, terapeutas, médicos que quiserem ao menos 50% do problema já estão solucionados.

Faça essa pesquisa:

Leia o resto deste post

%d blogueiros gostam disto: