O sol pode amenizar o aquecimento global?

Cientistas americanos afirmam que um novo período de baixa atividade do astro deve reduzir as temperaturas na Terra

André Julião

img.jpg
O medo do aquecimento global pode ser em vão. Pelo menos é o que dizem três estudos independentes que geraram polêmica nas últimas semanas. Cientistas anunciaram que o Sol passará por um novo período de baixa atividade. O último evento do tipo é conhecido como Mínimo de Maunder, ocorrido entre 1645 e 1715. O período coincide com as menores temperaturas registradas na Europa, época conhecida como Pequena Idade do Gelo, quando rios congelaram e vilarejos foram cobertos de neve. O frio inesperado compensaria os efeitos das mudanças climáticas, que podem aquecer o planeta em até 6 ºC até 2100, segundo as previsões mais pessimistas.

Os estudos analisam dados do interior, superfície e atmosfera superior do astro e concluem que o próximo ciclo solar – que define, entre outros, o calor que ele emite – vai acontecer com pelo menos dois anos de atraso, se é que vai acontecer. O sol está em constante atividade, com o material interno indo para o exterior a cada 11 anos. O próximo desses eventos, previsto para se iniciar em 2020, só começaria em 2022.

O fenômeno pode ser detectado pela observação das chamadas manchas solares. Trata-se do material que se resfria quando chega à superfície do Sol e se torna mais claro. Já no século 17, os astrônomos Galileu Galilei e Giovanni Cassini rastrearam as manchas com telescópios especiais e registraram a ausência de atividade durante o Mínimo de Maunder. Na mesma época, cientistas reconheceram que essa movimentação acontece em ciclos regulares. Estamos agora no ciclo 24, com um máximo de atividade solar previsto para 2013.

Apesar da aparente regularidade, os cientistas concordam que é imprudente cravar qualquer previsão quanto à atividade de um astro literalmente imprevisível. “Os estudos sobre o Sol são muito recentes e ainda precisamos presenciar mais eventos para testar novas teorias”, diz o astrônomo Victor D’Ávila, do Observatório Nacional. “Será um evento excitante”, disse à ISTOÉ Matt Penn, do National Solar Observatory, nos EUA, autor de um dos estudos. “Temos a chance de presenciar um comportamento nunca antes visto”, afirma.

O pesquisador é cauteloso ao comentar a possível influência da atividade solar na temperatura da Terra. “Não sou cientista climático. Mas meus conhecimentos dizem que o Sol controla o clima terrestre de uma maneira muito complexa: o aquecimento gera entrada de calor no planeta, mas a radiação solar muda a nossa atmosfera e controla também a saída desse calor”, explica.

Como pontuou o especialista em ciência da revista americana “Wired”, Brandon Keim, estudos anteriores já haviam sugerido que a Pequena Idade do Gelo pode ter sido resultado da atividade vulcânica, que cobriu os céus de cinzas e limitou os raios solares que normalmente penetram na atmosfera. Um estudo de 2001, publicado na revista especializada “Science”, mostra que a atividade solar reduzida contribuiu para a diminuição da temperatura terrestre em meras frações de grau.

No ano passado, em outro estudo, Georg Fuelner e Stefan Rahmstorf, do Instituto de Pesquisa em Impactos Climáticos de Potsdam, na Alemanha, se propuseram a responder o que aconteceria à Terra se um novo período de baixa atividade solar ocorresse. A resposta: o futuro será muito mais quente, com ou sem um novo Mínimo de Ma­un­­der. “Outro evento desses não é páreo para o aquecimento causado pelos gases de efeito estufa”, concluíram os cientistas.

O climatologista Michael Mann, um dos autores do estudo de 2001, exem­­­­plifica do seguinte modo. “O efeito estufa hoje equivale a 2 watts de energia iluminando cada metro quadrado da superfície da Terra. É como uma árvore de Natal a cada metro quadrado. No meio do século, esses 2 watts serão 4”, diz. “O impacto máximo do Sol é de 0,2 watt por metro quadrado.” Não será o Sol uma solução milagrosa para o aquecimento do planeta. A saída deve continuar por nossa conta.

g.jpg

Anúncios

Sobre André Möller

http://www.andremoller.com.br

Publicado em 06/25/2011, em Ciência e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: